quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Curso gratuito Inteligência Artificial e o Novo Contexto da Cultura Digital


O curso Inteligência Artificial e o Novo Contexto da Cultura Digital está disponível na Escola Virtual da Fundação Bradesco.

Em modelo autoformativo, de autoria da Priscila Gonsales, pesquisadora e diretora do Educadigital, o curso é destinado a profissionais e estudantes da educação interessados em compreender e refletir sobre as mudanças na cultura digital a partir dos avanços atuais das técnicas de inteligência artificial (IA). 

"É fundamental que educadores ampliem seus conhecimentos sobre questões da atualidade no mundo digital, como Big Data, algoritmos de IA, direitos digitais, dentre outros", pontua Priscila.

 Inscrições gratuitas no site da Escola Virtual da Fundação Bradesco.



Fonte: Educadigital


Tabela períodica do Google


O Google acaba de lançar sua tabela períodica interativa. Com navegação simples, ao clicar em um dos elementos aparece sua representação gráfica 3D ao lado da tabela, onde também é possível visualizar curiosidades, ano de descoberta, temperaturas de fusão e ebulição, densidade e massa atômica. Na parte inferior tem um link para uma pesquisa do Google.



quinta-feira, 15 de julho de 2021

Política de Inovação Educação Conectada


 A Lei Federal 14.180, de 1º de julho de 2021, estabeleceu a Política de Inovação Educação Conectada,  que tem como objetivo apoiar a universalização do acesso à internet em alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na educação básica.

Além da infraestrutura de banda larga, outros aspectos que reputo como fundamentais são a formação de professores e a criação de bancos de conteúdos em formatos abertos.

Conheça as ações prevista:

I - apoio técnico às escolas e às redes de educação básica para a elaboração de diagnósticos e planos locais para a inclusão da inovação e da tecnologia na prática pedagógica das escolas;

II - apoio técnico ou financeiro, ou ambos, às escolas e às redes de educação básica para:

a) contratação de serviço de acesso à internet;

b) implantação de infraestrutura para distribuição do sinal da internet nas escolas;

c) aquisição ou contratação de dispositivos eletrônicos; e

d) aquisição de recursos educacionais digitais ou de suas licenças;


III - oferta de cursos de capacitação:

a) de professores, para a utilização de tecnologias digitais em sala de aula;

b) do conjunto de profissionais da educação, para apoiar a implementação da Política;


IV - publicação de:

a) parâmetros para a contratação do serviço de acesso à internet;

b) referenciais técnicos sobre a infraestrutura interna para distribuição do sinal de internet nas escolas;

c) parâmetros sobre dispositivos eletrônicos para o uso da internet, a fim de permitir diferentes tipos de uso pedagógico da tecnologia; e

d) referenciais para o uso pedagógico da tecnologia;

V - disponibilização de materiais pedagógicos digitais gratuitos, preferencialmente abertos e de domínio público e licença livre, que contem com a efetiva participação de profissionais da educação em sua elaboração;

VI - fomento ao desenvolvimento e à disseminação de recursos didáticos digitais, preferencialmente em formato aberto.


Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/Lei/L14180.htm

sábado, 21 de novembro de 2020

Unicef cria podcast para ensinar cultura afro-brasileira

 Imagem: divulgação/Unicef

Em tempo de pandemia, de escolas fechadas e de ensino remoto, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) criou o podcast para que conteúdos didáticos sobre a história e cultura afro-brasileira continuem disponíveis para alunos do ensino infantil e do ensino fundamental (3 a 8 anos), professores e até familiares.

O material é gratuito, está disponível para todo o país e também pode ser veiculado livremente por emissoras de rádio, sejam públicas, comerciais ou comunitárias. Está disponível no YouTube, no Spotify e no próprio site da agência da ONU.

Até o final deste ano, 50 episódios contarão histórias, tocarão músicas e farão muitas brincadeiras para que crianças conheçam e possam expandir seus repertórios incluindo conhecimento sobre a cultura afro-brasileira e a cultura africana.

Os conteúdos dos podcasts estão previstos nas Diretrizes Nacionais da Educação Infantil e na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil. Todo material “oportuniza o contato com outras narrativas não euro-centradas”, defende a educadora Mafuane Oliveira, uma das cinco roteiristas responsáveis pelo programa a respeito da cultura afro-brasileira.

Fonte: Agência Brasil

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Plataforma Aprendendo Sempre: recursos para educadores durante a Pandemia Covid-19



A Plataforma Aprendendo Sempre é uma iniciativa de uma coalizão de organizações sociais para apoiar gestores educacionais, professores e famílias a garantir que todos os estudantes continuem aprendendo e se desenvolvendo durante a pandemia de Covid-19, que suspendeu as aulas em todo o Brasil.

Em um ambiente único, estão disponíveis indicações de ferramentas com conteúdos pedagógicos alinhados à BNCC (Base Nacional Comum Curricular), documento que mostra quais são as aprendizagens essenciais para todos os estudantes brasileiros. Além disso, há tecnologias que viabilizam a preparação e a transmissão de aulas online, além de recomendações para o bom uso dessas soluções e de como é possível promover experiências saudáveis e significativas para crianças, adolescentes e jovens remotamente. Com intuito de inspirar professores e gestores, casos e histórias de quem quem conseguiu promover aulas não-presenciais ou está bem preparado para a retomada do ano letivo nas escolas também podem ser encontradas na Aprendendo Sempre, bem como uma agenda de eventos, cursos, webinários e outras atividades de formação e troca de informações online.

Para as famílias, há recomendações de ferramentas e atividades, além de dicas de como elas podem ajudar crianças e adolescentes em casa.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

5 dicas para criar vídeos efetivos para a aprendizagem

Foto Kon Karampelas, Unsplash.

Com a ascensão do ensino híbrido, especialmente motivada pelo contexto da pandemia Covid-19, o vídeo ganha mais importância como recurso pedagógico. 

Vídeos instrucionais podem contribuir significativamente para a melhoraria da aprendizagem se forem bem elaborados, uma vez que é um tipo de mídia que possibilita aos alunos aprenderem em seus próprios ritmos.

Os vídeos também podem potencializar a aprendizagem por meio da integração texto e imagem, fenômeno conhecido como Princípio Multimídia, desenvolvido por Richard Mayer. As pessoas aprendem mais com texto (escritos ou falados) e imagens (estáticas ou movimento), em vez de um ou outro (MAYER, 2009). Veja a aula Research-based principles for multimedia learning, com Richard Mayer, na Harvard University.

Atualmente, o vídeo pode ir além da transmissão graças a tecnologias que adicionam camadas de interatividade a sua superfície. Posso citar, por exemplo, a ferramenta de autoria H5P, que permite ampliar a experiência de aprendizagem por meio da inserção de recursos interativos ao longo da exibição de uma aula, como quizzes, questões abertas, arrasta e soltar, imagens, entre outros.  Ou seja, tira-se o aluno da posição de mero receptor, característica típica da mídia de massa, e incrementa-se a interação do aluno com o conteúdo.  


Interface do vídeo com interação da ferramentas H5P

Outro aspecto relevante relacionado ao uso do vídeo em processos de ensino e aprendizagem diz respeito ao melhor uso da sala de aula, que uma vez livre do predomínio da exposição, pode ser utilizada em atividades de aplicação do conhecimento. Aliás, esse é princípio fundamental da sala de aula invertida preconizado por Bergmann e Sams (2016 ). 

Apesar dessas potencialidades, muitas vezes o vídeo perde sua efetividade para a aprendizagem devido a erros na concepção. Pesquisas indicam que vídeos instrucionais são frequentemente longos, confusos e desmotivadores. 

Para que você possa superar esses erros, compartilho 5 dicas que podem ajudá-lo a criar vídeos mais engajadores e efetivos no que se refere à aprendizagem.


1 - Mantenha os vídeos curtos 

Em vez de criar vídeos longos, pense em quebrar a lição em segmentos curtos. O ideal é que você desenvolva um tópico por vez. 

Não se preocupe se ao fazer isso você notar que seu vídeo ficou muito curto. Não faz mal para os alunos assistirem um vídeo que tenha apenas 1 minuto.  O problema está nos vídeos longos demais.  

A atenção diminui após 6 minutos. Os aprendizes assistem apenas 20% do tempo do vídeo quando ele tem de 12 a 40 minutos.

2- Use textos claros e concisos

Textos demais na tela podem sobrecarregar os estudantes.

Use pistas visuais, como setas para indicar conceitos-chave e diagramas para ajudar a explicar ideias.

3 - Estimule a escuta ativa

Estudantes aprendem menos quando eles escutam passivamente.

Ao longo do vídeo, estimule os alunos a refletirem e a tomarem notas. Verifique a compreensão dos conteúdos incorporando quizzes e questões simples e curtas nos vídeos. Além do H5P que eu já citei, você também pode disponibilizar seu vídeo em um formulário Google e criar questões pontuadas ou não.



Quiz com vídeo elaborado com o Formulário Google.

4 - Torne o vídeo pesquisável

Organize o vídeo em capítulos, dessa forma os estudantes podem encontrar uma seção rapidamente quando estiverem revisando o material. 

5- Seja você mesmo

Os estudantes serão mais engajados se os vídeos parecerem autênticos. Use tom natural e fala encorajadora. Alterne o tom de voz e, o mais importante, seja você mesmo.

Fale em tom de conversa e faça com que os alunos se sintam como se estivessem em sala de aula.





Para saber mais:

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de Aula Invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LCT, 2016.

EDUTOPIA. 5-Step Guide to Making Your Own Instructional Videos. Disponível em: https://www.edutopia.org/article/5-step-guide-making-your-own-instructional-videos

MAYER, Richard E. Research-based principles for multimedia learning. Disponível em: https://hilt.harvard.edu/news-and-events/events/research-based-principles-for-multimedia-learning

MAYER, Richard. Multimedia Learning. 2 ed., Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Capes abre 66 mil bolsas para licenciatura e formação de professores

Marcello Casal Jr/Agência Brasil


A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou hoje (12) a abertura de 66 mil vagas para a formação de estudantes de licenciatura e professores da educação básica, a um custo de R$ 325 milhões.

Cinco editais serão publicados, provavelmente no dia 18 de dezembro, visando as formações, por meio de bolsas que serão implementadas a partir de março de 2020.

Dois editais serão dirigidos a graduandos de cursos de licenciatura, sendo um voltado a estudantes na primeira metade do curso, por meio do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid); e o outro a estudantes de licenciatura que estão na segunda metade do curso, por meio do Programa Residência Pedagógica. A estes dois grupos serão destinadas 60 mil bolsas, a um custo total de R$ 305,8 milhões.

Dos três editais restantes, dois serão para formação no exterior (um para professores de língua inglesa, nos Estados Unidos; e um para professores de educação básica, no Canadá). Serão oferecidas 500 vagas para bolsas no exterior, envolvendo instituições estrangeiras parceiras. Nesses casos, a Capes financiará a bolsa da permanência, as passagens aéreas e todos os custos associados à formação.

“Com isso o professor da rede se candidata, vai ao exterior, ganha uma formação de altíssimo nível, retorna e transmite conhecimento aos alunos, tornando-se multiplicador com as parcerias que temos com estados e municípios”, disse o presidente da Capes, Anderson Correia, durante a solenidade na qual os editais foram anunciados.

O quinto edital é destinado a docentes da rede pública que não possuem formação em licenciatura na área em que já atuam na sala de aula. A expectativa é a de abrir 150 turmas em licenciatura, que atenderão cerca de 6 mil professores da educação básica. A definição dos locais onde os cursos serão oferecidos depende ainda de um levantamento de demandas das secretarias estaduais e municipais de educação.

Segundo o presidente substituto do Inep, Camilo Mussi, cerca de 60% dos professores dos ensinos fundamental e médio lecionam as matérias nas quais se formaram. “Isso significa que os outros 40% de professores lecionam em matérias diferentes das de sua formação”.

Para Correia, os editais anunciados hoje ajudarão a corrigir "esses problemas históricos e aperfeiçoará a formação dos professores com dificuldades devido à formação”. Segundo o presidente da Capes, serão oferecidos cursos à distância e presenciais a esses professores, por meio de parcerias com universidades.

O governo trabalha com a expectativa de que esses cursos e bolsas reflitam positivamente nas futuras avaliações, tanto de professores como de alunos. “Melhorar a qualificação e a formação dos professores, certamente impactará diretamente nos resultados das avaliações feitas pelo Inep. Com certeza um professor melhor formado vai impactar nos índices avaliativos”, ressaltou Mussi.

Fonte: Agência Brasil

domingo, 18 de agosto de 2019

Seja Incrível na Internet. Projeto do Google de cidadania digital


Seja Incrível na Internet é um projeto do Google que tem por objetivo ensinar às crianças os conceitos básicos de segurança e cidadania digital para que elas possam explorar o mundo on-line com confiança.

Para o Google, a cidadania Digital envolve 5 conceitos básicos:
  1. Compartilhe com cuidado
  2. Não caia em armadilhas
  3. Proteja seus segredos
  4. É legal ser gentil
  5. Na dúvida, fale com alguém
No site do projeto o professor encontrará vários recursos didáticos, como o jogo on-line Interland, um a proposta de currículo, pôster, modelo de atividade e muito mais.

Os recursos são gratuitos,  não precisam de senha e podem se acessados por diferentes dispositivos.

Ajude o seu aluno a ser um cidadão digital responsável!

Informações e recursos em https://beinternetawesome.withgoogle.com/pt-br_br/

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Desafio Change the Game do Google Play



O Desafio Change the Game do Google Play é uma iniciativa para reduzir a desigualdade de gênero na indústria da tecnologia.

Você sabia que apesar de 59% dos jogadores de jogos eletrônicos serem mulheres, elas representam somente 13% dos candidatos para a carreira de desenvolvedor(a) no Brasil?

Algo não está certo e o Google quer ajudar a mudar essa estatística, por isso foi lançado o Desafio Change the Game para inspirar jovens mulheres a seguirem uma carreira no universo da tecnologia e gaming e empoderar a próxima geração.

Não é preciso nenhum conhecimento em programação para se inscrever no desafio, basta pedir para que suas alunas pensem em uma ideia de jogo.

As duas ganhadoras irão a São Paulo e passarão 5 dias com uma das maiores empresas desenvolvedoras de jogos do Brasil para aprender o processo de desenvolvimento de um game para celular. As ideias darão origem a 2 jogos que serão publicados no Google Play.

As ganhadoras e outras 500 selecionadas mais bem avaliadas também terão acesso a 16 cursos online (144 horas de conteúdo) sobre desenvolvimento de jogos e introdução a programação.

Para participar as alunas precisam:
• Ter entre 15 a 21 anos e estarem matriculadas no Ensino Médio
• Completarem a inscrição no site até 30 de setembro de 2019 (uma inscrição por pessoa)
• Ter disponibilidade para passar 5 dias em São Paulo durante o mês de janeiro de 2020.
• Ter uma ideia de um jogo para celular

Saiba mais e inscreva-se em https://play.google.com/intl/pt_br/about/changethegame/desafio2019/

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Curso Internet das Coisas para Educadores


Professores e estudantes do Ensino Fundamental, Médio e Técnico têm acesso à Internet das Coisa - IoT por meio dos cursos disponibilizados na plataforma CodeIoT, uma iniciativa da Samsung em parceria com o LSI-TEC (Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico), responsável por promover aplicação de conhecimentos em tecnologia avançada.

Os cursos da plataforma, que pode ser acessada em português, espanhol e inglês, dão suporte à abordagem STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), evidenciada na atual edição do Prêmio Respostas para o Amanhã – e auxiliam na execução dos projetos que participam da premiação.




Conteúdos das formações, totalmente a distância, podem ser aplicados em projetos inscritos no Respostas para o Amanhã, desenvolvidos por estudantes com a orientação de professores.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Google cria playlists educativas



Aproveitando a tendência do vídeo como recurso de aprendizagem, o Google anunciou a criação de Playlists Educativas com produções de educadores brasileiros.

De acordo com o Blog do Google “Os novos recursos organizam e estruturam o conteúdo voltado à educação, ao dividir os vídeos por capítulos com base em conceitos -- do básico ao avançado. Além disso, as recomendações são escondidas da página de exibição de vídeos para que o usuário possa focar no que se dispôs a aprender.”

As playlists brasileiras podem ser encontradas nos canais do Manual do Mundo, Me Poupe!, Se Liga Nessa História, Débora Aladim, JeanGrafia GabaritaGEO, Matemática Rio com Prof. Rafael Procopio, Professor Noslen, MyNews, Poligonautas, Biologia Total com Prof. Jubilut e Ciência Em Ação - Prof. Paulo Valim.

Curso gratuito Inteligência Artificial e o Novo Contexto da Cultura Digital

O curso Inteligência Artificial e o Novo Contexto da Cultura Digital  está disponível na  Escola Virtual da Fundação Bradesco . Em modelo au...